terça-feira, 9 de abril de 2013

Um desenho, uma foto e um esclarecimento

O Vítor Cabeça enviou-me um desenho que o seu filho Tomás fez a partir d'O Pai Mais Horrível do Mundo. Vai sair no jornal da escola e tudo. Obviamente, não resisto a mostrá-lo aqui:


Ao mesmo tempo, também recebi hoje umas fotos da minha ida à escola da Carolina e do Tomás para ler o livro Uma Baleia no Quarto às quatro turmas do terceiro ano. Ó p'ra mim em grande estilo:


E já que volto ao tema dos livros infantis, aproveito para prestar um esclarecimento à leitora, que deixou no blogue esta pergunta sobre A Crise Explicada às Crianças (e assim despacho a minha trilogia infantil num único post):

Já há algum tempo que o livro A Crise Explicada às Crianças me intriga. Porquê às crianças de esquerda e às crianças de direita. Será que me pode explicar o significado?

Como diria um político profissional, isso acontece por três razões distintas. Em primeiro lugar, porque A Crise Explicada às Crianças é apenas um semi-livro para crianças - na verdade, ele é também uma sátira ao mundo em que vivemos e ao facto de nos conformarmos com uma visão primária da realidade digna de uma história da carochinha (a culpa da nossa situação é dos ursos gordos ou das abelhas furiosas?). Em segundo lugar, porque não considero a política uma coisa suja, que foi uma crítica que algumas pessoas me fizeram aquando do lançamento ("que horror!, a politizar miúdos desde pequeninos!"), e acho óptimo que os miúdos percebam desde a mais tenra idade as diferenças essenciais entre esquerda e direita. Em terceiro e último lugar, porque o livro é também uma experiência formal, e esse paralelismo permitia-me múltiplas brincadeiras gráficas e narrativas. E pronto, é isso. Ou, citando o grande Miguel Relvas, são essas ambas as três razões.


16 comentários:

  1. Um sorriso antes de ir para a cama!
    Obrigado!

    ResponderEliminar
  2. E pensar que aqui em casa as miúdas achavam que ser de direita ou de esquerda tinha a ver com a mão usada para escrever...;)

    ResponderEliminar
  3. João Miguel Tavares, se não conhece este livro vale a pena lê-lo...mas só existe em francês.

    http://www.amazon.fr/L%C3%A9onard-une-sensibilit%C3%A9-gauche-audio/dp/233000138X

    http://www.youtube.com/watch?v=J1jhqWpWKwc

    ResponderEliminar
  4. Bom dia!
    Acha que haveria alguma possibilidade dessas visitas se estenderem ao infantário?
    Fica a sugestão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infantário N. Sra da Purificação.
      Em tempos fiz a mesma sugestão em relação ao livro "A crise explicada às crianças" mas o João Miguel Tavares respondeu (e muito bem!), que talvez não fosse o livro mais apropriado.
      Penso que "O Pai mais horrivel do mundo" se enquadra perfeitamente ao pré-escolar. A minha filha está na sala 4 e tenho a certeza que já ia gostar. Aliás, eu já lhe li o livro e ela mostrou-se muito interessada.
      Claro que se chamasse "A mãe mais horrivel do mundo", nunca o teria lido em voz alta às minhas filhas! ;-)

      Eliminar
    2. Não tenho qualquer problema em ir apresentar o livro à sala 4. Basta que me convidem para isso :-)

      Eliminar
    3. Ok, vamos então tratar desse assunto!...
      Obrigada.

      Eliminar
    4. Apesar de já ter lido o livro aos meninos da sala 4 (no dia do Pai), a Ana Martins mostrou-se acanhada com o convite pois diz que são o casal de pais mais requisitado para os eventos do Infantário. Acho que ela tem medo de estar a abusar da vossa boa vontade. Espero que se encha de coragem, tenho a certeza que as crianças iam adorar! Agradeço desde já a atenção.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Obrigado.
      O Tommy (o "filho do Vitor") vai adorar. Aliás, vai chegar aos píncaros com esta mediatização blogosférica. Para ele vai mesmo ser é "estratosférica"!

      Eliminar
    2. Não sai à mãe, que não tem jeitinho nenhum...
      Ass: mãe do Tomás

      Eliminar
  6. Obrigado!Assim, como assim,fiz um dois em um e dividem o livro. Mãe de dois

    ResponderEliminar